KL Engenharia


Se você já pesquisou sobre geração de energia, provavelmente, já se deparou com estes dois termos: geração centralizada e geração distribuída.

Mas, afinal, como elas funcionam e quais suas diferenças? Confira a seguir mais detalhes.

GERAÇÃO CENTRALIZADA

A geração centralizada é uma das formas mais tradicionais de geração de energia, em que poucas unidades geradoras produzem eletricidade para muitas pessoas. Ela é formada por grandes usinas, que, geralmente, ficam afastadas dos centros de consumo, necessitando, assim, de extensas linhas de transmissão. Por isso, antes da construção de um projeto de energia centralizada, são feitos vários estudos sociais, locais e, especialmente, ambientais, para garantir que a construção e a operação das usinas estejam de acordo com as leis e normas de segurança.

Esse tipo de projeto é principalmente direcionado para o mercado cativo por meio de leilões de energia e do Mercado Livre de Energia. Um grande exemplo desse tipo de geração de energia é a grande usina solar fotovoltaica Parque Solar Ituverava, que fica localizada em Tabocas de Brejo Velho na Bahia, com capacidade de 254 MW, ocupando uma área de 579 hectares com 850 mil painéis fotovoltaicos e capacidade para atender 268 mil casas.

A geração centralizada, por muito anos, foi considerada a mais eficiente, em relação à geração de energia, principalmente, por sua otimização de custos na geração e simplicidade de gestão administrativa, e, até hoje, ainda é predominante no Brasil. Porém, ela também apresenta algumas desvantagens, como custos e perdas de energia na transmissão, impacto ambiental e social das grandes usinas, e risco maior de indisponibilidade em caso de falha de uma unidade geradora.

Dessa maneira, com o barateamento e a acessibilidade de alguns equipamentos de UFV, e as lições aprendidas em crises energéticas, a geração centralizada vem perdendo espaço para a geração distribuída.

GERAÇÃO DISTRIBUÍDA

Geração distribuída se caracteriza por ter várias unidades geradoras de menor porte para abastecer a rede. Dessa forma, essas pequenas unidades geradoras abastecem clientes locais, minimizando os custos com a transmissão da energia, além de evitar perdas energéticas, como as que ocorrem no modelo de geração centralizada, garantindo maior estabilidade e confiabilidade do sistema. Essa modalidade passou a valer em 2012, com a Resolução Normativa Nº 482 da Aneel.

O projeto de GD pode ser realizado de duas formas:

COMPARTILHADA

Essa modalidade caracteriza-se pela união de duas ou mais empresas ou pessoas físicas, em uma unidade de microgeração ou minigeração, em local distinto das unidades consumidoras, em que o excedente de energia será compensado. O único requisito é que estejam todos dentro da área de franquia do mesmo distribuidor. No Art. 2 da Resolução 687 da Aneel, pode-se encontrar, mais especificamente, as definições e diferenças sobre microgeração e minigeração.

NA UNIDADE CONSUMIDORA

Nesse caso, o sistema de geração de energia elétrica é instalado no mesmo endereço e no mesmo ponto de conexão com a rede de distribuição do usuário. O exemplo mais comum é uma casa ou empresa que instala painéis solares para gerar energia solar.

A energia gerada é utilizada para reduzir o consumo das unidades consumidoras, sendo impossível transferir crédito para outras unidades.

GERACÃO DISTRIBUÍDA EM EXPANSÃO

Nos últimos anos, diante da abundância de fontes limpas, como a fonte solar fotovoltaica, a expansão da geração distribuída demonstra um grande potencial para a produção de energia limpa que o Brasil detém, sendo um projeto menos complicado e economicamente mais viável.

Além disso, nas duas gerações de energia, seja centralizada ou distribuída, existem algumas regras que precisam ser seguidas, as quais são disponibilizadas pela Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica).

Portanto, é evidente que o setor elétrico do nosso país passa por transformações, e sua modernização, que já se encontra em andamento, é essencial, sobretudo neste contexto desafiador de crise hídrica que passamos. Desse modo, para se adequar à realidade atual, é importante investir em novos modelos de negócios de geração de energia renovável, pois não só teremos energia de melhor qualidade, mas também iremos diminuir os danos ao meio ambiente.

Com 42 anos de experiência em diversas áreas da engenharia, a KL Engenharia elabora projetos e supervisiona obras de geração centralizada de energia e de geração de energia distribuída, realizando a gestão integral de usinas de energia renovável.